cinema, Cultura, resenha, TV

Seven Seconds|Existe justiça para o povo negro?

Sabe aquela série que te prende no sofá e quando você assusta já está no meio da temporada? Seven Seconds foi capaz de me prender no sofá por horas a fio, porém de uma maneira bem dolorosa.

Terminei de assistir e fiquei louca para compartilhar com vocês minhas experiências, mas não consegui escrever uma linha sequer até a data de hoje. Falar sobre a morte do povo negro é doloroso e muito real.

Dirigida por Gavin O’Connor  e produzida por  Veena Sud (The Killing) para a Netflix, a série nos transporta para um bairro nos EUA onde a tensão racial é intensa e o abuso da polícia também. A truculência, corrupção e a brutalidade da polícia são abordadas de maneira intensa, além de vários momentos onde faz-se questionamentos morais da sociedade como um todo.

920x920
Imagem Divulgação

A série é uma adaptação do filme russo “The Major” (2013). Um policial atropela uma criança negra e se divide entre confessar o acontecimento ou encobrir a morte da criança. Veena Sud, assim como em “The Killing” (também da Netflix) nos entrega episódios tensos e às vezes bem arrastados e densos. Muitos diálogos longos e cheios de emoção, principalmente dos pais de Brenton Butler, interpretados por Regina King (American Crime) e Russell Hornsby (Fences).

A dor sentida pela mãe, contribui para que a promotora  KJ Harper (Clare-Hope Ashitey)(que diga-se de passagem merecia uma personagem melhor elaborada) se empenhe, junto com seu parceiro a descobrir o que de fato havia acontecido com Brendon.

sevenseconds-belezablackpower.jpg
Fonte Divulgação

Confesso que a maneira como a personagem KJ Harper foi construída. Uma mulher negra, inteligente, porém completamente descrente de seu potencial e competência, com uma família desestruturada, além de ser alcoólatra. Sabemos que estas características foram necessárias, quando durante a série percebemos os ganchos que KJ Harper deixa, mas mesmo assim, não concordo.

seven-seconds- belezablackpower
Imagem Divulgação

É doloroso ver em diálogos entre os próprios policiais e suas famílias o quão pouco a vida de uma criança negra importa. Talvez seja o fato da proximidade com a realidade que me fez ter tanta dificuldade em fazer esta publicação, frente aos últimos acontecimentos. É cruel ver, a todo o momento, o chefe da equipe Mike Diangelo (David Lyons) afirmar que se caso Peter Jablonski (Beau Knapp) se entregasse como quem atropelou Brendon, New Jersey, onde o crime aconteceu, se transformaria na cidade de Ferguson.

nyt
Fonte: The New york Times

A dificuldade para provar que os policiais eram de fato culpados, nos faz pensar que os EUA estão bem próximos do nosso país quando falamos sobre genocídio do povo negro e a corrupção nas polícias.

Em 10 episódios, Seven Seconds nos mostra o poder imprensa, da polícia e da população frente aos descasos de alguns crimes. O final é cruel, mas nada do que não estejamos acostumados. Sem fantasias.

3094659_default_1qxKTX_jRnjou

A população abraçou a busca da família de Brendon, mas como em qualquer outra situação real, nem sempre nós negros conseguimos justiça.

dados-da-tragc3a9dia-do-genocidio-de-negros-jovens.jpg
Fonte Mapa da Violência IPEA

O que vamos fazer?

Kelly Souza

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s