cinema, Literatura

Lágrimas sobre a lama e segregação| Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi

Finalmente tive tempo para assistir Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi e posso dizer que comecei o filme com uma percepção e terminei com outra completamente diferente. Terminei de assistir e fiquei com dores físicas e psicológicas, sentindo a necessidade de discutir tudo o que havia acontecido ali com o mundo inteiro.

Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi é baseado no livro de Hillary Jordan e conta a história de duas famílias, uma negra e outra branca. Laura, Henry McAllan, seu pai e duas crianças mudam-se para o Mississipi após o ‘patriarca’ comprar uma fazenda que era seu sonho, nesta fazenda vivem os Jackson, a família negra que é responsável pelo trabalho pesado de colheita e plantio para o dono da fazenda.

A tensão entre as duas famílias é constante e sempre evidenciada pelo racismo e a exigência de servidão que os brancos impõe sobre a família negra. O pai de henry, deixa claro diversas vezes que pretende manter seus privilégios brancos sobre a família de Hap Jackson (Rob Morgan). Enquanto vimos o racismo e o preconceito entre os mais velhos, percebemos o desenrolar de uma amizade entre Jamie (irmão de Henry) e Ronsel Jackson, que compartilham traumas da guerra.

A terra quase infértil e dura da fazenda recebe os veteranos da guerra que ao saírem do Mississipi se deparam com outras realidades raciais e ao voltarem se reencontram com a crueldade do sistema político e cultural do estado.

mudbound2
Imagem: Divulgação

Com produção Netflix, o filme é dirigido por Dee Rees (Pariah) e conta com Mary J. Blige (I Can Do Bad All by Myself), Jason Mitchell (Straight Outta Compton), Rob Morgan (Demolidor), Garrett Hedlund (Tron: o Legado), Jonathan Banks (Breaking Bad) e Carey Mulligan (O Grande Gatsby) no elenco.

dee rees.png
Imagem BBC News

O filme aborda uma série de temas tão grande, que é impossível terminar de assistir e não querer discutir sobre o que foi visto, assim como é praticamente impossível definir a temática central do filme A luta de classes, os traumas e consequências da guerra, o aparecimento da KKK (Ku Klux Klan), a violência racial e do campo entre outros temas que são muito bem construídos.

A importância de cada personagem para a trama é deixado bem claro, quando a narração é alternada entre eles durante todo o filme. Não há um protagonista ou personagem principal, quando vimos que cada um deles é importante para o desenrolar da história.

mudbound_mississipi.jpg
Imagem: Divulgação

Além da segregação no Mississipi é possível observar a maneira como as mulheres são tratadas neste ambiente  naquela época em que ser solteira era um problema e fazer um paralelo com as disparidades que nós mulheres ainda enfrentamos nos dias atuais.

Vale ressaltar que o estado do Mississipi negou-se a assinar o texto que abolia o fim da escravidão nos EUA em 1865. O Congresso americano aprovou a lei naquele ano, porém cada um dos 36 estados também deveria aprova-la individualmente, o Mississipi não assinou.  A lei só foi assinada pelo estado em 1995, porém os trâmites legais não foram concluídos, o que aconteceu de fato em 2013.

Em 2001, o estado do Mississipi também aprovou após plebicito a manutenção da bandeira confederada como seu símbolo.  “Com cerca de 94% dos votos apurados, quase 66% dos eleitores decidiram pela manutenção da bandeira antiga e 34% votaram por sua substituição.” BBC Brasil. O estado é o último a manter a bandeira que foi usada durante a Guerra no século XIX. A história refere-se à bandeira como símbolo de escravidão e segregação racial, enquanto grupos radicais de extrema direita afirmam que tem a bandeira como uma marca do orgulho sulista. O estado além de ser um dos mais pobres dos EUA, foi um exemplo de violência racial nos EUA.

segregação racial.PNG
Imagem: Bettmann Archive / Getty Images via Buzzfeed – Manifestantes contra a integração racial na Clinton High School atacam carro com passageiros negros em agosto de 1956

O filme consegue retratar estas violências na relação entre brancos e negros ainda após a Primeira Guerra Mundial, quando muitos negros foram enviados para lutar pelo seu país. Violências raciais e sociais são apresentadas de maneira crua e nada românticas.

As mulheres da trama são muito bem representadas por Mary J. Blige e Carey Mulligan  que são mulheres fortes e percebemos a importância e a mudança dessas mulheres  durante o desenrolar da história. Mary J. Blige merece maior destaque aqui, uma vez que nunca imaginei ver a cantora maravilhosa atuando de um jeito tão incrível. Dona de uma voz lindíssima e presença de palco incríveis, Mary se mostrou uma atriz de mão cheia. Deixo meus parabéns e espero por muitos filmes dessa qualidade.

Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi (7,5 no IMDb) recebeu indicações ao Oscar de melhor atriz coadjuvante, com Mary J. Blige para quem não se lembra de Mary , melhor roteiro adaptado e melhor canção. Além da indicação ao prêmio de melhor fotografia para Rachel Morrison, que é a primeira mulher a ser indicada à categoria (estamos em 2018 mesmo?).

O filme ainda está nos cinemas e mesmo depois de assistir Pantera Negra, sentindo-me extremamente representada, vale assistir Mudbound: Lágrimas sobre o Mississipi. São filmes bem diferentes, com temáticas diferentes, porém falam sobre questões cotidianas e que não podem deixar de ser discutidas.

Mais de duas horas preciosas. Assistam.

Kelly Souza

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s