cinema, Cultura, feminismo, Literatura, makeup, Sem categoria

Novos planos, novas direções

Então mais um ano se passou e parece que nada ou pouca coisa mudou. Felizmente conseguimos tirar algo positivo meio a esse caos de ataques racistas, genocídio negro e silenciamento que nos perseguem há tantos anos.

Tivemos racismo em shopping (escancarado dessa vez), redação do Enem com a temática sobre o racismo, black face na tv aberta às 9h da manhã, Miss Brasil negra entre outros acontecimentos.

2016.jpg

No final de 2016 já conseguimos encontrar uma quantidade maior de blogueiras e youtubers negras (não que sejam grandes como merecem ser, mas já é positivo), algumas empresas começaram a enxergar os cabelos crespos e a pele negra retinta (pouquíssimas, dá pra contar nos dedos) e tivemos mulheres e homens negros em posições de destaque no meio acadêmico, da moda e da tv.

Ainda é pouco? Sim, é pouquíssimo porque merecemos muito mais. Mas saibam que em 2016 aprendi, frente a tudo de estranho ou nem tanto que aconteceu, que por mais que a maré esteja contrária, não se pode parar de nadar. Descobri que mesmo que nós não tenhamos ainda nosso lugar ao sol, não quer dizer que devemos parar de tentar.

2016-post

Não foi um ano fácil para ninguém, acredito eu. Mas tenho certeza que podemos crescer mesmo em tempos difíceis.

Continuarei falando sobre a pele preta e retinta, o cabelo crespo sem cachos, a menina que não tem condição de estar no meio acadêmico e aquela que luta para conseguir permanecer naquele lugar. Afinal, a história sempre termina com um “é nós por nós”. Obviamente que esse “nós por nós” nem sempre acontece, aí então lutamos por nós mesmas.

Que nosso cabelo é lindo, que nossa pele é linda nós já sabemos, mas nunca é demais reforçar. Nunca é demais falar isso para as garotas que não se sentem representadas de forma alguma (empresas, tv, cinema, revistas), nunca será demais mostrar autores negros (por mais que leiamos outras coisas ao longo da vida).

Começar a escrever e mais tarde a fazer vídeos me fez ver e conhecer o mundo por outros olhos. Nunca, em hipótese alguma, me imaginei nesta posição e estar escrevendo até hoje, 1 ano depois só me fortaleceu.

Outro aprendizado que tive e que acredito ter deixado isso bem escurecido por aqui é que “nunca deixe com que falem por você”, jamais deixe que te desprezem. A maioria de nós já passou por situações onde se viu diminuída, pelo tom de pele, pelo cabelo ou pelo simples fato de ser mulher. Por mais que falem o contrário e que realmente tudo pareça estar indo mal, nós somos poderosas o suficiente pra virar o jogo, nos amar em primeiro lugar.

Mesmo com tudo isso, ainda sonho com o dia em que não precisaremos lutar pra que estejamos em todos os lugares, em que não precisemos lutar para aparecer nas caixinhas de tinta sem termos a pele embranquecida ou para aparecermos em divulgações e fotos no Instagram das marcas de esmalte. Um dia em que nosso trabalho bem feito não seja diminuído pelo simples fato de sermos negras.

Que 2017 nos reserve conquistas ainda maiores, com mais representatividade e que possamos estar de fato  em todos os lugares onde merecemos estar por sermos tão maravilhosas, pois nós, somente nós, sabemos quem somos de verdade.

cropped-design-sem-nome1.png

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s