Cultura, Literatura

Leia Autores Negros | Consciência Negra Maria Firmina dos Reis

Nascida em São Luis / MA em 1825, Maria Firmina dos Reis é considerada a primeira escritora de romances do Brasil.

Mulher negra e bastarda, Maria Firmina passou por cima do racismo e do preconceito, publicando seu primeiro romance em 1859 “Úrsula”. O romance foi o primeiro escrito por afrodescendentes da literatura brasileira, assim como o relato sobre a escravidão contado a partir da visão dos próprios escravos. 

ursula_livro

Maria Firmina omitiu seu nome como autora da obra, utilizando o pseudônimo de “uma maranhense” devido à época em que as mulheres eram limitadas e viviam sob preconceitos.

A obra Úrsula antecipou o poeta Castro Alves com suas poesias abolicionistas, ocupando um espaço até então ocupado por homens brancos e ricos. Maria Firmina deu voz aos escravos e aos seus sofrimentos de forma política, denunciando os absurdos vivenciados no século XIX.

“Úrsula é uma narrativa marcada por desencontros, ilusões e decepções tendo como principal diferencial um desfecho fatídico e infeliz, contrastando com os finais felizes esperados para as narrativas da época, para que agradassem ao público feminino. O romance traz a história da jovem Úrsula que, aprisionada por um tio mesquinho em uma fazenda falida no nordeste do Maranhão, vê-se envolvida em uma tragédia familiar e amorosa: sua mãe é doente e depende de seus cuidados e o grande amor de sua vida, Tancredo, é assassinado pelo tio que na verdade, a ama e deseja desposá-la.” Andreta, Bárbara Loureiro. A voz e a memória dos escravos: Úrsula, de Maria Firmina dos Reis

Obras Publicadas

  • Úrsula. Romance, 1859.
  • Gupeva. Romance, 1861/1862 (O jardim dos Maranhenses) e 1863 (Porto Livre e Eco da Juventude).
  • Poemas em: Parnaso maranhense, 1861.
  • A escrava. Conto, 1887 (A Revista Maranhense n° 3)
  • Cantos à beira-mar. Poesias, 1871.
  • Hino da libertação dos escravos. 1888.
  • Poemas em: A Imprensa, Publicador Maranhense; A Verdadeira Marmota; Almanaque de Lembranças Brasileiras; Eco da Juventude; Semanário Maranhense; O Jardim dos Maranhenses; Porto Livre; O Domingo; O País; A Revista Maranhense; Diário do Maranhão; Pacotilha; Federalista.
  • Composições musicais: Auto de bumba-meu-boi (letra e música); Valsa (letra de Gonçalves Dias e música de Maria Firmina dos Reis); Hino à Mocidade (letra e música); Hino à liberdade dos escravos (letra e música); Rosinha, valsa (letra e música); Pastor estrela do oriente (letra e música); Canto de recordação (“à Praia de Cumã”; letra e música).

Já em 1880, Maria Firmina fundou uma escola para meninos e meninas, gratuita o que acabou num escândalo na época. A escola acabou sendo fechada após três anos.

A escritora exerceu por muitos anos o magistério e recebeu o título de Mestra Régia. Participou ativamente da imprensa local com publicações de poesias, ficções e crônicas

Maria Firmina dos Reis faleceu em 1917, infelizmente ainda pobre e cega no município de Guimarães no Maranhão.

Leia autores negros! Leia Maria Firmina dos Reis!

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s